Depressão: Como evitar o desgaste a vida a dois?

Depressão: Como evitar o desgaste a vida a dois?

1216
0

Depressão: Como evitar o desgaste a vida a dois?

Parceiro pode auxiliar no tratamento, compreendendo que irritabilidade, falta delibido e apatia para lazer e tarefas domésticas também são sinais da depressãodepressao-tvdoservidorpublico

Picos de agressividade, bruscas alterações de

humor, desinteresse sexual, desânimo para

atividades de lazer, apatia diante de tarefas

domésticas, desleixo e baixa autoestima.

Pacientes com Depressão

Todos essas situações, comuns no dia a dia dos pacientes com depressão, podem

interferir diretamente na vida conjugal, desgastando a relação.

Mas o apoio do parceiro é, justamente, um dos pilares fundamentais para a adesão

do paciente ao tratamento.

Só no ano passado, mais de 11 milhões de pessoas foram diagnosticadas com

depressão no Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e

Estatística (IBGE).

E, embora a doença afete grande parte da população, ainda hoje está envolta em

desconhecimento e preconceito, dificultando a discussão sobre o tema e,

consequentemente, a busca por ajuda.

Por isso, é papel do parceiro encorajar seu companheiro a falar abertamente sobre

o assunto, fortalecendo os laços de confiança entre eles.

“Trata-se de uma doença que traz um estigma para os pacientes, que muitas vezes

não são compreendidos nem mesmo pela família. Somente com informação de

qualidade é que os familiares poderão entender que se trata de uma doença

reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que apresenta

vários aspectos biológicos e não tem nada a ver com preguiça, falta de força de

vontade ou fé”, analisa o médico Joel Rennó Jr., doutor em psiquiatria pela

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), onde atua como

professor colaborador, e diretor do Programa de Saúde Mental da Mulher do

Instituto de Psiquiatria da USP (IPq-USP).

Como ajudar?

Uma vez identificado o problema, o cônjuge poderá exercer um papel fundamental para o sucesso do tratamento, atuando como um forte elo entre o médico e o paciente.

“Sem dúvida, a luta contra a desistência do tratamento é muito mais leve quando o companheiro do paciente trabalha em conjunto com o médico, especialmente nos casos graves de depressão”, ressalta Rennó Jr.

O cônjuge pode, por exemplo, responsabilizar-se pela medicação, caso prescrita pelo médico, lembrando ao paciente sobre os horários das tomadas.

Ou, ainda, poderá assumir temporariamente algumas das tarefas domésticas do companheiro, como ir ao supermercado, entendendo que fadiga excessiva e apatia também podem ser sintomas da doença.

É possível, em outra frente, oferecer companhia para as sessões de psicoterapia, caso o cônjuge concorde, bem como estimular que ele se alimente bem, exercite-se e estabeleça um bom padrão de sono.

A irritabilidade, outro sintoma comumente associado aos quadros depressivos, é mais um componente que pode interferir diretamente na vida conjugal, alimentando discussões e desgastando a relação.

“Na verdade, são vários os sintomas que podem atrapalhar um casal nos casos de depressão.

Muitas vezes o cônjuge se vê tomado pela impaciência diante de alguém que está apático, irritado e sempre triste, alguém que tende a valorizar demais as casualidades negativas e que pode até mesmo se tornar uma pessoa controladora, com medo de que o familiar se afaste”, complementa o psiquiatra.

Perda de libido e vida sexual

Se por um lado a depressão pode levar ao desinteresse pelo sexo, de outro muitos pacientes temem que os próprios medicamentos utilizados no tratamento tenham impactos negativos sobre a libido.

Somam-se a essa preocupação as questões estéticas, como as variações bruscas de peso, que muitas vezes também estão relacionadas à depressão, o que também pode ter impacto direto sobre a autoestima e a vida sexual do casal.

“As pessoas chegam ao consultório com uma ideia distorcida sobre os efeitos colaterais dos antidepressivos, que atuam de forma diferente em cada um dos pacientes.

Hoje, há medicações que já não exercem impacto significativo sobre o peso do

paciente nem sobre o desejo sexual”, esclarece Rennó Jr., lembrando que

outros fatores, físicos e psicológicos, podem interferir na libido, como alterações

hormonais, algumas doenças e a qualidade da relação conjugal e da vida sexual no período anterior à depressão.

A evolução no entendimento da depressão e o conhecimento cada vez mais aprofundado dos fatores relacionados à doença têm possibilitado o desenvolvimento de tratamentos cada vez mais modernos, eficazes e seguros, como os antidepressivos de terceira geração.

Com ação dual, esses medicamentos conseguem equilibrar a disponibilidade de dois neurotransmissores importantes e diretamente relacionados aos quadros depressivos: a noradrenalina e a serotonina.

Esse é o caso de Pristiq (desvenlafaxina), da Pfizer, que preserva a libido do paciente e favorece o resgate da funcionalidade, restaurando sua capacidade plena de atuação e ampliando, assim, sua qualidade de vida.

Comentarios

comentarios

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta