Elevador Lacerda ganha iluminação roxa para conscientização da epilepsia

Elevador Lacerda ganha iluminação roxa para conscientização da epilepsia

480
0

O Elevador Lacerda segue iluminado na cor roxa durante todas as noites até o próximo domingo (26)

O intuito do Elevador Lacerda é chamar a atenção de toda sociedade soteropolitana para o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia. A intervenção cênica é uma realização da Secretária Municipal da Ordem Pública (Semop), através da Diretoria de Iluminação.

O Dia Roxo, ou Purple Day, acontece anualmente em 26 de março, e é quando as pessoas em países de todo o mundo são convocadas a vestirem roupas da com em prol da conscientização da epilepsia. Em Salvador, a Liga Brasileira de Epilepsia estima que existam entre 30 mil e 60 mil pessoas com a doença. O número de portadores da patologia, ainda segundo a organização, pode chegar a 300 mil em todo o estado.Elevador

Na capital baiana, a Prefeitura dispõe de acompanhamentos para pacientes com epilepsia no Multicentro de Saúde Carlos Gomes e no Centro de Saúde Mental e Reabilitação Álvaro Rubin de Pinho, no Bonfim. “O acompanhamento a esses pacientes pode acontecer uma vez a cada três meses, se tiver com a doença controlada. Se tiver tendo crises, fazemos no intervalo menor, pode ser mensal, semanal, a depender da gravidade”, explica a médica Emannuelle Vasconcelos, que atende na neuropediatra no Álvaro Rubin de Pinho.

Ainda de acordo com a médica, a epilepsia é uma doença causada

por descargas anormais no cérebro, cujas manifestações vão

depender do local acometido. “Por exemplo: se as descargas

acontecem na região responsável pelo movimento, vai ter

manifestação de movimento, se a região atingida for na parte da

sensibilidade, o paciente vai ter câimbra, sensação de

formigamento, alteração no olfato e paladar”. Emannuelle ressalta

que epilepsia tem controle com medicação e que há remédios

disponíveis nas farmácias dos postos de saúde da Prefeitura.

Dia Roxo –

O Dia Roxo foi criado em 2008 pela canadense Cassidy Megan,

uma criança que na época tinha nove anos de idade, junto com a

Associação de Epilepsia da Nova Escócia (EANS). Segundo a

Associação Brasileira de Epilepsia, a menina escolheu a cor roxa

para representar a causa por conta da lavanda, flor

frequentemente associada com a solidão e que representa os

sentimentos de isolamento que muitas pessoas com epilepsia

sentem. Contudo, o objetivo é mostrar que os portadores da

doença jamais devam se sentir solitárias.

Comentarios

comentarios

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta