Especialista conta com que frequência casais devem fazer sexo

Especialista conta com que frequência casais devem fazer sexo

1659
0

A coach em relacionamentos Cátia Damasceno fala sobre a importância do sexo para um casamento feliz

“O sexo é o que diferencia um casal de uma amizade comum”.

É com esta frase que a fisioterapeuta especialista em uroginecologia Cátia Damasceno

inicia sua explicação sobre a importância do sexo no casamento.

Ela, que também é criadora do Programa Mulheres Bem Resolvidas, conta que é pelo

sexo que se mede a temperatura de um relacionamento.

Segundo Cátia, um dos principais erros que um casal pode cometer é não conversar sobre sexo.

“Converse sobre o que você gosta e o que você não gosta, e nunca se deixe omitir

quando o companheiro ou a companheira fizer algo do qual que você não gosta”, alerta.

sexo-tvdoservidorpublico

A especialista também ensina que a rotina é outra inimiga da vida a dois.

“Fazer sempre o mesmo tipo de sexo e deixar o relacionamento naquela ‘lenga-lenga’ é uma das piores coisas de um casamento”, destaca.

Segundo Cátia, isso também não significa que toda relação sexual deva ser acompanhada de uma novidade.

“Ninguém tem tanta criatividade assim, mas é importante que pelo menos uma vez por mês o casal procure um lugar diferente, uma lingerie diferente, uma atividade ou brinquedinho diferente”, ousa a especialista.

Buscar uma novidade em todos os momentos acaba transformando em uma obrigação rotineira, o que também não é bem-vindo.

TODO DIA?

Para Cátia, não existe uma regra para a frequência com que um casal deve fazer sexo.

“No Brasil, a última pesquisa feita indica que os casais transam de duas a três vezes por semana, mas o mais importante é que essa frequência seja um comum acordo do casal”, explica a especialista, que reforça a importância de que os dois estejam satisfeitos.

“Por isso é importante que o casal converse sobre isso de maneira franca”, conta.

Por fim, a coach destaca que uma rotina saudável em relação ao sexo inclui alguns momentos de intimidade que não necessariamente precisam incluir penetração: toques, carinhos e momentos íntimos também contribuem com a vida sexual.

A especialista alerta, no entanto, que é necessária alguma frequência razoável.

“Fazer sexo só uma vez por ano também não dá certo”, conclui.

 

Comentarios

comentarios

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta