Justiça Federal condena funcionários dos Correios por fraude em plano de saúde

Justiça Federal condena funcionários dos Correios por fraude em plano de saúde

1156
0

Os funcionários dos Correios atuavam apresentando notas fiscais falsas produzidas por hospitais alterando informações nos sistemas de controle interno.

O juízo da 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro condenou o ex-gerente de saúde dos Correios, Marcos da Silva Esteves, e mais três funcionários da estatal (Correios) por peculato em um esquema de fraude de mais de R$ 7 milhões no plano de saúde da instituição.

O ex-gerente foi condenado a 14 anos, nove meses e 27 dias de reclusão em regime fechado, e ao pagamento de multa e ressarcimento do valor desviado dos Correios.

CorreiosA denúncia foi feita pelo Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro.

Na sentença, o juiz Vitor Barbosa Valpuesta disse que a ação de Esteves foi “particularmente reprovável” por desviar recursos destinados ao custeio de ações de serviços médico-hospitalares.

Além de Esteves, foram condenados João Maurício Gomes da Silva, com pena de dois anos em regime semiaberto; e Fábio Wilson Fernandes Póvoa e Amilton Oliveira Nascimento, que receberam pena de três anos em regime semiaberto.

Todos foram igualmente condenados a pagar multa e a ressarcir o

montante acumulado por via das atividades ilegais.

Os três réus foram condenados ainda à perda do emprego público.

Para o procurador da República Sérgio Luiz Pinel, responsável pela

operação, a condenação “atesta a existência de um esquema

criminoso na gerência de saúde dos Correios do Rio de Janeiro

desarticulado com a deflagração da Operação Titanium”.

Investigação

Realizada em conjunto pelo MPF e pela Polícia Federal, a Operação Titanium desarticulou esquema criminoso que operou entre agosto de 2011 e abril de 2013.

Os acusados atuavam apresentando notas fiscais falsas produzidas

por hospitais, alterando informações nos sistemas de controle

interno dos Correios, realizando pagamentos superfaturados e de

serviços que nem chegaram a ser prestados.

Por conta do esquema, funcionários dos Correios aguardavam por operações já registradas como realizadas e pagas a hospitais.

Comentarios

comentarios

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta